O Paciente Zero

Como tudo começou.

CURIOSIDADES

Gustavo

3/10/2021 3 min read

Conversando com amigos sobre computadores, componentes, desempenho e outras coisas nesse tempo de pandemia, dólar nas alturas e falta de peças, fui apresentado ao processador Intel Xeon na sua forma de Kit x99 em um site chinês. Seria basicamente um processador desenvolvido para servidores com desempenho próximo e as vezes até melhor do que processadores de ultima geração e que estava disponível para uso em desktops "caseiros" através de uma adaptação feita por fabricas chinesas.

A principio fiquei curioso e ao mesmo tempo reticente. Será que isso era real? Encomendei o meu Kit e que vinha com 16Gb de memória, uma placa-mãe Machinist e um poderoso processador Intel Xeon e5-2620-v3. Que apesar de ter sido lançado em 2014 era muito melhor que o meu processador i7 de sexta geração, lançado em 2015.

Com o kit em mãos, montei-o com um SSD NVME de 256Gb, 2 HDs sata de 1 Tb, uma GTX 960 TI e uma fonte corsair de 450W. Dai pra frente foi só alegria. Com o sistema Windows 10 instalado comecei os testes.

Edição de vídeo, o que meu i7 levava 30 minutos pra renderizar, o Xeon fazia em 5 minutos. Jogos, começamos com GTA 5, Hitman e BeanNG Drive, que não fez nem cócegas no processador, quem não estava aguentando era a placa de vídeo. O que me deu a oportunidade de testar a construção da placa-mãe colocando a placa de vídeo em overclock para melhorar o desempenho. E assim seguiram por meses de uso intenso sem que apresentasse qualquer problema.

Na sequência, depois de pesquisar muito sobre o equipamento, principalmente em sites russos, descobri que com pequenas modificações na BIOS da placa-mãe era possível liberar o Turbo Boost ® do processador, dando a ele uma potencia a mais. Feito isso seguiram-se os testes, e de fato houve uma melhora na pontuação do processador. Foi ai que surgiu a ideia de um upgrade na placa de vídeo, afinal a GTX 960 ja estava entregando 100% do seu desempenho (um pouco a mais com o overclock), chegou então a GTX 1660 OC.

A partir desse upgrade, o setup começou a navegar em mares tranquilos, não havia um jogo que não estivesse rodando com alta qualidade, sendo que nem o processador e nem a placa de vídeo estavam "sofrendo" para isso. Nisso tudo, a maior dúvida que era a placa-mãe (até então desconhecia) passou a ser uma coadjuvante, pois não estava comprometendo em nada todo o setup. Como últimos upgrades e já com lugar de destaque no showroom da loja, o "paciente zero" ganhou uma fonte de 500w e um gabinete novo.

Dada toda essa experiência, por que não oferecer isso para as pessoas? Com um pouco de pesquisa, descobri que havia demanda para esse tipo de equipamento, mas havia também o receio de importar de forma independente e não ter suporte ou garantia para algum eventual problema. Nascia então a BroTech...